fbpx
Paulo Salustiano Uro-Oncologista

contato@paulosalustiano.com.br

(21) 2247-2232 - (21) 2523-0769

Uro-Oncologia

Câncer de Bexiga

Epidemiologia, Etiologia e Patologia

O câncer de bexiga é o sétimo mais frequentemente diagnosticado em homens. São aproximadamente 2 homens acometidos para cada mulher.

Aproximadamente 75% dos pacientes apresentam o tumor confinado à mucosa e submucosa. Os outros 25% são constituídos de tumores invasivos que já acometem a camada muscular da bexiga e possivelmente outros órgãos.

O cigarro é o mais importante fator de risco, respondendo por cerca de 50% dos casos. Pode ser ocasionado também por exposição ocupacional a algumas substâncias da indústria da tinta, metal e petróleo. Outros fatores de risco são: história familiar, consumo de álcool, exposição à radiação ionizante, quimioterapia com ciclofosfamida e esquistossomose.

Estadiamento e Classificação

Alguns exames utilizados para o estadiamento:

– Ultrassonografia
– Tomografia
– Ressonância Nuclear Magnética
– Cistoscopia com biópsia

Tratamento

O tratamento do tumor de bexiga é realizado de acordo com seu estadiamento, assim como outros cânceres. Em geral, nos tumores superficiais, aqueles que não atingiram a camada muscular da bexiga, a terapia é baseada na ressecção dos tumores e tratamento complementar com quimioterapia ou BCG intra-vesical.

Tumores invasivos vão requerer tratamento mais radical, como: cirurgia, quimioterapia e/ou radioterapia.

Formas de tratar o tumor de bexiga:

– Ressecção transuretral de bexiga
– Ressecção com laser
– Quimioterapia intra-vesical
– BCG Intra-vesical
– Cistectomia radical (retirada da bexiga)
– Quimioterapia
– Radioterapia
– Imunoterapia

Confira outros tipos de câncer:

Whatsapp